terça-feira, 29 de novembro de 2005

Dualidades...



Hoje escrevo-te com esta estranha sensação de estar a viver num presente eterno.

Eterno por durar há já tanto tempo.
Eterno por ser já tão conhecido.
Eterno por ser, mesmo assim, ainda tão imprevisível...

Hoje escrevo-te perfeitamente consciente da violência das escolhas que têm que ser feitas. Porque sei que toda a escolha é uma renúncia. Toda a decisão é o recusar definitivo de qualquer outra possibilidade.

Hoje escrevo-te, mais uma vez...
Talvez porque hoje eu já saiba que toda a posse implica um renunciar aos objectos que não possuímos.

14 comentários:

Muse disse...

As tuas famosas dualidades não é Claudia?

Todos nós as temos, uns mais q outros...
Todos os dias temos q fazer escolhas, umas mais faceis q outras, umas q parece que nos arrancam o coração,mas às vezes são essas q nos levam para o caminho da luz, da felicidade...
tudo oq vem facilmente não tem mto valor, às vezes há q lutar, há q chorar... há q renunciar a certas posses para se poder ter outras...

são as escolhas... é a vida... e é assim q sempre será!!

Um beijo enorme!

divergente disse...

lindas palavras

Daniel Aladiah disse...

Querida Cláudia
As palavras chegam-lhe?...
Um beijo
Daniel

a_mais_fofa disse...

As escolhas implicam mais que racionalidade, sentimento. Quantas vezes a renúncia é sinal de coragem? A vida é feita de escolhas... e todas elas, trazendo boas ou más coisas, nos ensinam a viver e reconhecer o que de melhor há!
Gostei muito do que li... a sério!
http://somosasmais.blogspot.com

pandora disse...

Cláudia
acabei de actualizar o Inside the Box e tomei a liberdade de linkar o teu blog...
espero que não te aborreça!

Andei tb por aqui a ler as tuas conversas... e tão familiar que me é esta sensação de algo inacabado e ao mesmo tempo impossível de continuar, pelo menos não da forma que antes foi.
É precisa a serenidade que nos dá a certeza. E seguir em frente :)

beijo no coração.

Bite For Delight disse...

A propria vida trás as dualidades agora temos q ser nós a fazer leva-las e contorna-las! bjocas

Su disse...

gosto de ler.te pq entendo/sinto
jocas maradas

dulce disse...

E escolher é por vezes tão doloroso.
Beijos grandes.

vero disse...

Faço minhas as palavras da Dulce!!!

Um beijinho para ti!***

MRA disse...

Que tudo seja eterno...enquanto dura...!

beijo

xelim disse...

Neste preciso momento estás a sonhar, estás a ter um pesadelo, brrr, assistes à agonia do nascimento de uma montanha,

O barulho é ensurdecedor.
O sol ficou negro, cor de serapilheira.
A Lua cheia ficou cor de sangue e depois uma grande montanha incandescente foi lançada ao mar.
Depois a Besta ascendou do fosse sem fundo.
O anjo do fosso sem fundo.
O seu nome é Ausência.
E te veio abraçar, e te veio abraçar...
E então caíste no Infinito,
Presa no Infinito.
Abraçada à Ausência, abraçada à Ausência...
E então viste um Extra Terrestre masturbando-se num vidro de maionese,
E no reflexo do vidro viste o teu Amor!
E desesperaste, a dor!
Presa no Infinito, abraçada à Ausência, no reflexo do teu Amor!


(Já há algum tempo que não vinha cá)

Visible Silence disse...

Como tens razão...
"... toda a escolha é uma renúncia. Toda a decisão é o recusar definitivo de qualquer outra possibilidade"...
"Recusar" "definitivo"... palavras chave... é preciso coragem para escolher e assumir as escolhas feitas...
Li nas tuas palavras muito do que me vai na mente...
Beijinhos

Pólux disse...

Cláudia,

Há sempre momentos de silêncio e luz na precessão das alvoradas. É essa a altura em que o desejo límpido e nu de tocar as estrelas se concretiza.

Convido-te a ouvir no meu blog a Paula Morelembaum na canção "Bonita" (acompanhada pelo marido ao violoncelo e por Sakamoto ao piano. Sakamoto, o compositor de "Merry Christmas Mr. Lawrence). É tranquila e repousante.
Beijinho.

raquellita disse...

todas as escolhas fazem de ti quem tu és e obrigada por seres esse SER.... **PAZ***