sábado, 5 de março de 2011

Moonlight Shadow




Estranho isto de o meu céu hoje ter dois luares.

Um que controla as marés que se agitam nos meus olhos. 
Para não as deixar submergir a praia deserta dos meus lábios.

O outro?
Esse não sabe o que faz.

Cega-me à queima-roupa... e deixa-me sozinha com o meu vício.
Este.
De te querer.
Ainda.
Apesar de tudo.




7 comentários:

Maria disse...

Muito belo...
Boa noite.

Sammael the Morning Star disse...

Os luares são terríveis...mas são do mais puro que existe...pois saem cá de dentro!


beijo

Carlos disse...

Não gosto de noites sem luar. E sei o que é sentir que temos dois.
Um que ilumina, outro que faz sombra.

Bom Domingo.

Nilson Barcelli disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Nilson Barcelli disse...

Belíssimo poema.
Gostei imenso das tuas palavras.
Beijos.

mac disse...

levei comigo
(c copyright claro :-))

Daniel Aladiah disse...

Querida Cláudia
A noite passa e o amanhecer só nos traz um Sol...
Um beijo
Daniel