terça-feira, 16 de dezembro de 2014

D I S L E X I A S






Há Amores que chegam e permanecem em forma de dislexias.
Demasiado plenos e completos para poderem exprimir-se sem a exaltação e o desassossego de duas almas em queda livre, simultânea e voluntária.

Em alguns dias são como tempestades feitas de arrebatamentos audazes de vontade e desejo comum. Desafiam a vida porque a força dos seus ventos lhes dá a certeza de que existem para se encontrar e se cumprir.

Noutros dias são como um tranquilo e preguiçoso Domingo que se esqueceu de acabar. E que prolonga e confirma num abraço essa não finitude do que se sabe e sente desde o primeiro momento.

São gigantes e imensos um dentro do outro.
Muitas vezes ele elogia-lhe os sorrisos sem se lembrar que é ele quem os inventa para ela.

E, num desses momentos em que dois corpos encostados são muito mais do que dois corpos encostados, ele diz-lhe que ela é a melhor coisa que lhe podia ter acontecido. Mesmo sabendo que continuarão a acontecer-se um ao outro todos os dias.
Mesmo que fechem e voltem a abrir os olhos vezes sem conta.
Porque não há do que acordar quando a realidade acontece para além das margens. E do sonho.

" ABRE LOS OJOS. "











2 comentários:

Anónimo disse...

Parabéns. Toda a arte de expressar a beleza das emoções em textos lindíssimo está sempre presente. A imagem completa tudo o resto. Bjinho.

DUDU disse...

nunca deixarei de ler um rabisco seu...me alimento deles...

bjs eduardo.