domingo, 8 de agosto de 2010

"Some words when spoken, can't be taken back"




Sabes?...
O vazio que ficou ainda é avassalador.

Ainda me perco nesta vontade quase constante de te contar os meus dias e as minhas noites.
De partilhar contigo aquelas coisas pequeninas que me habituei a dividir por dois.

Ainda me assusta saber que não devo pegar no telefone de cada vez que quero muito falar contigo.


Ainda me aterroriza o silêncio que fica em vez da tua voz.

E ainda me sinto fraca e vulnerável por não ser capaz de lidar com isto de outra maneira.
Ainda...

E são ainda tantas as noites em que adormeço rendida ao cansaço, por já não ter mais forças para lutar contra as saudades que sinto de ti.

 

10 comentários:

Carlos disse...

Ainda que possa parecer mal dizer isto porque o texto é efectivamente triste... ao ler fiquei com um desejo tremendo de que algum dia alguém fosse capaz de escrever palavras assim para mim.

Isto quer dizer tanto!! Só se dedicam palavras destas a alguém muito especial.
E eu gostava de ser assim para alguém.

Gothicum disse...

escrito com alma...e quando é assim nada a dizer!


bj

Sandra disse...

Identifico-me tanto com este teu texto.
Este tipo de sentimentos desgastam-nos por dentro e tu sabes colocá-los em palavras melhor do que ninguém.

Está fantástico.
Um beijinho.

Fenix disse...

Carlos,
Se alguém escrevesse estas palavras para ti, significaria que estava a sofrer "a potes" por ti. Tendo tu a sensibilidade que aparentas, não me parece que deixasses alguém sofrer desta forma.
Não duvides que vais encontrar quem te mereça! :)

Fenix disse...

Claudia,
O que quer que tenha acontecido a esse amor, está na hora de recomeçar; se deixou de gostar de ti é porque não te merecia, se não deixou de gostar de ti, nunca haveria de querer que sofresses desta forma. Pensa nisso...

CLÁUDIA disse...

Fenix,

sofrer é parte integrante do processo do "recomeçar".
Nunca se recomeça sem sofrimento porque deixam-se sempre coisas nossas para trás.

Um passo de cada vez...

Fenix disse...

Cláudia,

Pura verdade...
Mas eu quero acreditar que, a dada altura, se pode aprender a viver com a dor sem que ela nos domine.
Honrar o passado ( a ele devemos o que hoje somos!) mas olhando para o futuro...

Eu sei que cada um tem o seu timming para recomeçar... eu sei disso.

Boa sorte.

Daniel Aladiah disse...

Querida Cláudia
Estás a precisar de um tratamento baseado em amor alternativo... se já não há esperança do mesmo.
Um beijo
Daniel

Miguel disse...

Mais que ficar um vazio, há um momento em que o vazio se transforma num vacuo que puxa para uma zona onde se deixa de sentir... Olha-se, vê-se, aprecia-se até... mas não se sente nada!

E custa muito mais adormecer assim porque parece que o cansaço não chega...

Enfim, uma merda!

cronicasdeamor disse...

O vazio, odeio o vazio. Odeio.